você na colorado

Dagmar Hernandes

Contar apenas uma histria vivida na querida Colorado do Brs seria pouco perto do filme que passa em minha mente quando lembro dos anos de alegrias, amizades, amores, lgrimas, dificuldades, misto de tantos sentimentos que vivi nesta escola. Em 1975, oriundos do futebol do domingo pela manh, amigos tiveram a ideia de fundarem uma escola de samba, poucos recursos, nenhuma tecnologia, nada de criatividade, mas o corao vermelho e branco rasgado de tanta alegria. Primeiro ano, o enredo Canudos, Seu Povo, Sua Histria, minha fantasia era de Chica da Silva, a roda de veludo vermelho que compunha a saia extremamente rodada passava as noites tomando toda a sala da minha casa, com vrias pessoas em volta dedicadas ao bordado. Os desfiles eram na Av. So Joo, lembro-me como se estivesse acontecendo, o corao na boca, os olhos brilhando, a emoo entorpecendo todos os sentidos. Minha me D. Lola comandava a ala das crianas, onde meus irmos tambm desfilavam suas fantasias de cetim estampado de losangos e as alegorias cheias de espelhos colados, em fila indiana tentando fazer bonito. Meu pai - Roberto ajudava a colocar escola na Avenida. Assim foram todos os anos seguintes. Uma parte do salrio era guardado para as plumas. Sempre na torcida para que os dias passassem rpido e chegar logo os ensaios, no bar, na rua, depois na quadra. Quantas coisas vividas, de ficar esquecida no carro alegrico at a falta da Comisso de Frente, que foi substituda pelas mulheres da Ala do Tino, que com eficincia e com amor conseguiram desempenhar bravamente um papel que no lhes cabia. Brilharam!!! Do sangue que escorria das costas que foi severamente castigada pelo esplendor de couro e madeira arrancando a pele adormecida pela alegria de estar desfilando. Ao invs de dor o que sentia era orgulho! Dos desfiles embaixo de fortes chuvas, carregando a saia de muitos quilos ensopada e prestes a desmanchar. Dos sorrisos de todas as bocas, do cetim vermelho e branco, das lantejoulas, das plumas e da emoo. Do Stio do Pica Pau Amarelo, do Brs sempre Menino, Adoniran Barbosa, Guerra dos Canudos, Stanislaw Ponte Preta, Conversa de Botequim, Circo, Quilombrs, da Cara da Me Cara do Pai, do Calendrio. De um dos mais lindos sambas enredos de todos os tempos,Catops do Milho Verde que dizia - No criou raas, Deus apenas criou vida!!!!!! De todos os acordes e de todas as letras. Do Mestre Branco, do Mestre Sala Odair, do Paulinho, do Serjo, da Marta, do Bira, do Tino, da Cleusa, do Nori, do Tua, do Z Preto,da Ivonete, do Jorginho, da Marli, do Silvio, do Preto, do Lula, de todos e todas...da minha me e do meu saudoso pai, de todos e de todas, que no caberia neste espao mas sorriem em meu pensamento. Lembro-me da cada samba, de cada ala, de cada pessoa que fazia parte da famlia Colorado. E com grande satisfao e imenso prazer que h algum tempo soube que os filhos da escola estavam frente daquela que jamais poderia deixar de ter frequentado o rol das maiores. Nas esquinas do Colorado cresci, voltei com meus filhos e nunca deixei, mesmo que de longe, acompanhar, um dia quero voltar para desfilar de novo na Ala da Velha se meu corao assim o permitir. Bom trabalho aos meninos da querida Colorado!!!!! Sou vermelho e Branco, sou o samba, Colorado do Brs...."